jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020
    Adicione tópicos

    ONG questiona dados da Transpetro sobre vazamento no RS

    Em reunião realizada na Procuradoria da República no Rio Grande do Sul, a ONG Sea Shepherd entregou ao Ministério Público Federal um relatório técnico a respeito do vazamento de óleo ocorrido no início de 2012, em Tramandaí.

    No relatório, a ONG questiona a quantidade de óleo vazado. Segundo o laudo “a posição oficial da Transpetro relata que foram derramados cerca de 1,2 mil litros de petróleo no referido acidente, porém tal informação gera certa desconfiança, uma vez que as imagens e as dimensões vistas não condizem com a realidade relatada pela empresa”.

    Um exercício de calculo é proposto pela instituição: “Segundo diversas fontes, oficiais e não oficiais, o petróleo depositou-se por 3,5 quilômetros de praia, formando uma faixa de cerca de 10 metros de largura entre os municípios de Tramandaí e Imbé. Tendo como área total de praia com petróleo depositado 35 mil metros quadrados, se dividirmos os 1,2 mil litros de petróleo pela área de praia afetada, teremos apenas 34 mililitros de petróleo por metro quadrado de praia, o que representaria o equivalente a uma xícara pequena de café. É importante ressaltar que neste cálculo não está sendo levado em consideração o petróleo que não chegou à praia”.

    Os apontamentos feitos pela Sea Shepherd serão utilizados para embasar a atuação do MPF, que pretende entrar com uma ação civil pública contra a Petrobrás pedindo uma indenização pelos danos causados ao meio ambiente.

    Além do laudo da Sea Shepherd, um estudo técnico próprio e outro do Ibama deverão complementar a ação do MPF. O Ibama, inclusive, multou a Petrobrás em uma quantia que chega à R$ 1,7 milhão.

    O vazamento de óleo ocorreu no dia 26 de janeiro deste ano quando um navio grego realizava o transbordo de petróleo para uma monoboia ligada ao Terminal Soares Dutra (TEDUT). O ocorrido foi classificado como de dano ambiental moderado. Além da ação civil pública um inquérito criminal esta em andamento. Com informações do MPF.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)